Frase do dia

“O amor é tudo”
(Jesus Cristo)







segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Basta de violência contra jornalistas

Mais um jornalista é vitima da violência que explode no país. O repórter cinematográfico Santiago Andrade foi atingido na quinta-feira (6/2), por um petardo que explodiu na sua cabeça, conforme registraram várias redes de televisões, nacionais e internacionais, e inúmeros jornalistas presentes na manifestação que ocorria próxima à estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro.



O jornalista da Rede Bandeirantes fazia cobertura de um confronto entre policiais militares e manifestantes, com a utilização de bombas de gás, de efeito moral e rojões. Santiago Andrade foi socorrido e levando a uma unidade de saúde, onde foi submetido a uma cirurgia para reparar amassamento craniano e consequente edema. Seu estado de saúde é grave e inspira cuidados.

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) repudia veementemente mais este ato de barbárie contra um jornalista no exercício de seu trabalho. A FENAJ convoca a sociedade brasileira a se somar ao esforço que a FENAJ realiza, em parceria com os Sindicatos de Jornalistas de todo o país, para dar um basta à violência contra jornalistas que cresce assustadoramente no país.

Em 2013 foram mais de cem agressões registrada somente durante o chamado Movimento de Junho. Neste início de 2014 já são três casos de jornalistas agredidos em coberturas de manifestações. Embora a maioria dos casos seja de ações cometidas pelas diversas policias militares do país, com especial destaque para a Policia Militar de São Paulo, é necessário registrar uma crescente e inaceitável intolerância por parte de um movimento que se pretende libertário e democrático. Diversos jornalistas foram agredidos e impedidos de trabalharem por manifestantes que reproduzem a intolerância que este mesmos militantes identificam em setores da chamada grande imprensa.

A FENAJ detecta nestas agressões elementos nitidamente autoritários de pessoas ou grupos de pessoas que não conseguem conviver com o estado de direito e, principalmente, com um jornalismo que cumpra a sua tarefa de trazer a público interesses que insistem em permanecer escondidos e privados. Junto com a sociedade democrática deste país a FENAJ portanto exige:

1) Uma reunião urgente com o Ministro da Justiça Eduardo Cardoso. Este pedido já encaminhado no ano passado, com reiterados contatos posteriores e nunca respondido, tem como objetivo demonstrar a gravidade do cenário nacional, apresentar a situação constrangedora que o Brasil passa a ocupar em nível internacional e pedir que o Governo Brasileiro construa, junto com as organizações de classe, setor empresarial da comunicação e organismos defensores de direitos humanos, um procedimento nacional que garanta aos jornalistas o direito à sua integridade e ao seu trabalho.

2) Que a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República dê continuidade à sua louvável iniciativa ao compor um grupo de trabalho para tratar dos direitos humanos dos trabalhadores de comunicação e que efetive, conforme manifestação pública da Ministra Maria do Rosário, as proposta apresentadas pela FENAJ:

a) Criação de um observatório nacional e público, com a participação de profissionais da área, assim como de empresários do setor e representantes do governo para acompanhar e fiscalizar crimes, agressões e ameaças desde as denúncias, passando pelos inquéritos policiais e judiciais, a fim de garantir justiça e impedir a impunidade;

b) Aprovação de uma lei que federalize a investigação dos crimes contra jornalistas;

c) assinatura de um Protocolo entre a FENAJ e as organizações empresarias no sentido de garantir a segurança dos jornalistas. Este acordo público deve prever treinamento, oferecer equipamento eficiente de segurança, prover com seguro a família e o trabalhador e, principalmente, permitir através de uma comissão interna a pertinência e o enfoque a ser buscado na reportagem;

3) Investigação imediata sobre o autor do atentado contra o cinegrafista Santiago Andrade e imediata instauração de processo policial e judicial.

A FENAJ, ao exigir pronta ação contra o autor do atentado, se solidariza com o colega ferido e com sua família e se coloca, como organização máxima nacional dos jornalistas, à disposição do Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro.

É preciso dar uma basta à esta crescente violência contra jornalista porque ela ameaça o livre exercício profissional, compromete o estado de direito e constrange o país frente a uma sociedade internacional que precisa ver uma reação do estado e da sociedade brasileira.
Postar um comentário