Bom dia! Veja as manchetes dos jornais desta quarta-feira, 19 de março. Workshop para hoteleiros em Cabo Frio acontece nesta quarta-feira Inscrições ainda podem ser feitas pela internet. Evento tem apoio da Prefeitura.

Exibindo Cabo Frio (2).jpg
Empresários e profissionais de hotelaria de Cabo Frio participam, nesta quarta-feira (19\3), de um workshop gratuito oferecido pela Colonial Búzios Eventos & Projetos. 
Com total apoio da Prefeitura de Cabo Frio, por meio da secretaria de Turismo, as oficinas acontecem das 9h às 13h, na sede da ACIA - Associação Comercial, Industrial e Turística, que fica à Rua Bento José Ribeiro, n.º 18, Centro, e terão como tema a Elaboração de Tarifários, o Marketing Hoteleiro e a Fidelização de Clientes.  
O projeto itinerante, que leva conhecimento de forma rápida, gratuita e conveniente ao trade turístico, foi iniciado no ano passado e já passou por cidades como Búzios, Macaé e Petrópolis. A ideia dos organizadores é integrar o conhecimento e a experiência de diferentes parceiros e levar aos profissionais do setor tendências e soluções inovadoras para a gestão de negócios. 
Nesta edição, o projeto conta com a participação dos turismólogos Thiago Azeredo, Gerente Comercial do Vila D’este (reconhecido como o quarto hotel mais romântico do país e o sétimo da América do Sul em 2013, detentor do Travelers’ Choice Award e do Certificate of Excellence, no mesmo ano)  e  Juliana Girão, Gerente de Vendas do Best Western Plus Sol Ipanema Hotel  e especialista em Gestão de Negócios e Inteligência Competitiva,  que apresentarão aos participantes os desafios e as estratégias de vendas e marketing aplicadas à atividade hoteleira. 
As inscrições podem ser feitas até meia hora antes do início das atividades pelo email comercial@expobuzios.com.br 
O evento conta também com o apoio do Cabo Frio Convention & Visitors Bureau,  da Associação de Hotéis de Cabo Frio, da Associação Comercial, Industrial e Turística de Cabo Frio, da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – ABIH e da Federação de Conventions & Visitors Bureau do Estado do Rio de Janeiro.


-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Governo enfrenta rebeldes e vota Marco Civil da internet

Ao fim de um dia tenso, de muitas idas e vindas, em que o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), chegou a anunciar o adiamento para a próxima terça-feira da votação do Marco Civil da Internet, o governo decidiu arriscar e vai tentar aprovar nesta quarta-feira o parecer do deputado Alessandro Molon (PT-RJ). Sem acordo com o PMDB do líder Eduardo Cunha (RJ) e com pelo menos mais quatro partidos da base aliada, o governo tinha adiado a questão para a próxima semana e já negociava mudanças nos principais pontos do projeto para atender a cobranças dos líderes dos partidos da base. Mas, à noite, depois de reunir os líderes de PTB, PROS, PT, PSD e PCdoB, no Ministério da Justiça, e contabilizando pelo menos 270 votos, a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, anunciou que o governo iria manter a urgência do projeto e votá-lo nesta quarta. O governo aceitou alterar um dos pontos cruciais, os chamados datacenters, que cuidam do armazenamento de dados no Brasil. Mas Ideli garante que é inegociável o artigo que trata da neutralidade da rede e que será mantido o trecho que dá ao Executivo poder para definir, por decreto, as regras da neutralidade. Diante da rebelião persistente, o governo manobrou também para derrubar a sessão de terça à noite do Congresso, na qual os aliados municipalistas poderiam derrubar o veto da presidente Dilma Rousseff à criação de cerca de 400 municípios. A despeito da distribuição de cargos na reforma ministerial e no segundo escalão, o governo foi surpreendido pela reunião do “blocão” com PMDB, PTB, PR, PSC, Solidariedade e até mesmo o PSD, que nunca fez parte do grupo. Esses partidos estão ao lado do DEM, do PSDB e do PSB, que querem que o governo retire da proposta o texto que diz que a neutralidade será regulada por decreto.

Lula compara Eduardo Campos a Fernando Collor


Ao falar com empresários na semana passada, no Paraná, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva revelou uma das abordagens que deve ser adotada pela campanha governista na corrida pelo Palácio do Planalto neste ano. O petista comparou, de maneira indireta, o pré-candidato de oposição Eduardo Campos (PSB) ao ex-presidente Fernando Collor de Mello. Num almoço com empresários, Lula enfatizou a necessidade de manter as políticas de governo por mais quatro anos, dizendo que Dilma Rousseff é a mais preparada para essa missão. Nesse contexto, falando sobre como seria ruim haver uma interrupção, declarou: "A minha grande preocupação é repetir o que aconteceu em 1989: que venha um desconhecido, que se apresente muito bem, jovem"¦ e nós vimos o que deu". Vários dos presentes entenderam a frase como uma comparação entre Fernando Collor de Mello e Campos. Em 1989, Collor era apenas conhecido como governador de Alagoas. Era jovem, pregava renovação e ganhou o Palácio do Planalto. Depois, sofreu um processo de impeachment e o país passou por severa crise econômica. Hoje, Campos também é um político pouco conhecido. Governa um Estado do Nordeste (Pernambuco) e se apresenta como o jovem que vai renovar a política. No seu discurso no Paraná, Lula não fez citações a Aécio Neves (PSDB), outro pré-candidato a presidente oposicionista. Por ser do Sudeste, o tucano é mais conhecido nacionalmente. No trecho em que fez uma menção indireta a Eduardo Campos, o ex-presidente afirmou que a atual ocupante do Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, é a única que pode "dar garantia de manutenção de estabilidade no país".

Dilma afirma que parecer de compra de refinaria era falho


Documentos até agora inéditos revelam que a presidente Dilma Rousseff votou em 2006 favoravelmente à compra de 50% da polêmica refinaria de Pasadena, no Texas (EUA). A petista era ministra da Casa Civil e comandava o Conselho de Administração da Petrobrás. Ontem, ao justificar a decisão ao Estado, ela disse que só apoiou a medida porque recebeu "informações incompletas" de um parecer "técnica e juridicamente falho". Foi sua primeira manifestação pública sobre o tema. A aquisição da refinaria é investigada por Polícia Federal, Tribunal de Contas da União, Ministério Público e Congresso por suspeita de superfaturamento e evasão de divisas. O conselho da Petrobrás autorizou, com apoio de Dilma, a compra de 50% da refinaria por US$ 360 milhões. Posteriormente, por causa de cláusulas do contrato, a estatal foi obrigada a ficar com 100% da unidade, antes compartilhada com uma empresa belga. Acabou desembolsando US$ 1,18 bilhão - cerca R$ 2,76 bilhões. A presidente diz que o material que embasou sua decisão em 2006 não trazia justamente a cláusula que obrigaria a Petrobrás a ficar com toda a refinaria. Trata-se da cláusula Put Option, que manda uma das partes da sociedade a comprar a outra em caso de desacordo entre os sócios. A Petrobrás se desentendeu sobre investimentos com a belga Astra Oil, sua sócia. Por isso, acabou ficando com toda a refinaria. Dilma disse ainda, por meio da nota, que também não teve acesso à cláusula Marlim, que garantia à sócia da Petrobrás um lucro de 6,9% ao ano mesmo que as condições de mercado fossem adversas. Essas cláusulas "seguramente não seriam aprovadas pelo conselho" se fossem conhecidas, informou a nota da Presidência. Ainda segundo a nota oficial, após tomar conhecimento das cláusulas, em 2008, o conselho passou a questionar o grupo Astra Oil para apurar prejuízos e responsabilidades. Mas a Petrobrás perdeu o litígio em 2012 e foi obrigada a cumprir o contrato - o caso foi revelado naquele ano pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

Renato Aragão respira sem ajuda de aparelhos

O humorista Renato Aragão, de 79 anos, recebeu alta da unidade coronariana na última segunda-feira (17/3) e está em um apartamento do Hospital Barra D'Or, no Rio de Janeiro. Segundo o boletim divulgado pelo hospital ele está estável e respira sem ajuda de aparelhos, mas ainda não há previsão de alta. O artista, famoso por interpretar o personagem Didi Mocó, teria começado a passar mal após a festa de 15 anos da filha, Livian, na noite de sexta (14/3). O humorista passou por uma angioplastia no último sábado (15/3). De acordo com o hospital, Renato deu entrada por volta de 12h40 do sábado, apresentando quadro de infarto agudo do miocárdio. A cirurgia foi feita no intuito de desobstruir as artérias do humorista.

Unidades prisionais terão 88 profissionais de saúde

Um total de 88 profissionais da área de saúde serão contratados, através de seleção simplificada, para atuar nas Unidades Prisionais do Estado. As contratações representam um investimento da ordem de R$ 2 milhões. O concurso é promovido pelas secretarias de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos e Administração do Estado. Em regime de contrato temporário, dos 88 trabalhadores, 77 farão parte de 11 equipes nas áreas de saúde básica. Os grupos de trabalho serão compostos por odontólogos, enfermeiros, assistente social, psicólogo, médico, auxiliar de saúde bucal e técnico de enfermagem. O Complexo Prisional do Curado receberá sete equipes. A Barreto Campelo, duas; e a Penitenciária Agro Industrial São João, também contará com duas equipes de saúde. Para atuarem na área de farmácia, serão contratados onze profissionais: nutricionista (1), psiquiatra (1), ginecologista (1), fisioterapeuta (1), terapeuta ocupacional (1), bioquímico (1), técnico de laboratório (2), e técnico em radiologia (2), totalizando 11 profissionais.

Metroviários de BH mantêm paralisação total nesta 4ª

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) conseguiu uma liminar do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), nesta terça-feira, que determina escala mínima do metrô durante a paralisação dos metroviários marcada para esta quarta-feira. Com a decisão do desembargador Murilo de Morais, 70 % dos trens têm que circular das 5h30 às 9h e das 17h às 20h. Nos demais horários, o funcionamento terá que ser de 50%. Caso a medida seja descumprida, o sindicato da categoria terá que pagar R$ 50 mil por dia. Os metroviários afirmaram que não vão cumprir a decisão. Os metroviários de Belo Horizonte prometem fazer uma paralisação de 24 horas nesta quarta-feira contra a privatização do metrô da capital mineira. A categoria também protesta contra a falta de investimento do governo federal. Faixas foram colocadas nas estações para alertar os usuários, que também receberam panfletos com as reivindicações da categoria. Diante da ameaça de greve, a CBTU ajuizou uma ação cautelar no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) pedindo para que seja determinada a escala mínima. A solicitação foi acatada pelo desembargador Murilo Morais. O magistrado ressaltou, em sua decisão, que “embora se trate de simples paralisação de advertência da categoria, por um dia, não resta dúvida de que causará perturbação no meio em que se manifesta”.

40% dos presos serão transferidos do PC até agosto

Sem inaugurar uma só cadeia desde o começo de sua gestão, em 2011, o governador Tarso Genro (PT) anunciou nesta terça-feira que 1.693 (38,1%) dos 4.441 dos detentos do Presídio Central de Porto Alegre serão transferidos para outros estabelecimentos até agosto. De acordo com a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), os destinos serão Canoas, Venâncio Aires, Charqueadas e Montenegro. Nos dois primeiros, em prédios novos. Nos demais, em módulos dentro de complexos já existentes. Em entrevista à Rádio Gaúcha, o secretário de Segurança Pública, Airton Michels, reiterou a promessa de campanha de Tarso de esvaziar Central. As declarações foram dadas após críticas do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, que falou sobre as condições do presídio durante visita na última segunda-feira e apontou situação precária dos encarcerados. Barbosa esteve no Central na condição de presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Indústria reduz vagas em 2% em janeiro

O pessoal ocupado pela indústria se manteve estável no mês de janeiro de 2014, em relação a janeiro de 2013, divulgou nesta terça-feira Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, no entanto, houve queda de 2%, sobre uma base de comparação que já havia caído 1,2% em relação a janeiro de 2012. A variação mês a mês do pessoal assalariado na indústria vem se mantendo estável ou negativa desde janeiro do ano passado. Em 2013, em todos os meses houve queda em relação a 2012. Nos últimos 12 meses, a queda acumulada do pessoal ocupado assalariado é 1,2%. Os estados de São Paulo e do Rio Grande do Sul tiveram os maiores impactos na taxa nacional na comparação com o mesmo mês de 2013. O pessoal ocupado na indústria paulista caiu 3,1%, e o da gaúcha, 3,3%, o pior resultado nacional. Bahia (-3,2%), Paraná (-2,3%), Espírito Santo (-2,2%), Rio de Janeiro (-1,8%), Minas Gerais (-1,4%), Ceará (-1%) e Pernambuco (-0,5%) acompanharam as reduções no pessoal ocupado. Santa Catarina teve alta de 0,4%. A taxa atribuída pelo IBGE às regiões Norte e Centro-Oeste subiu 1,3%.

Operação no Chapadão termina com 11 presos

Policiais da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA), com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE), delegacias especializadas e da 39ª DP (Pavuna), realizaram, na manhã dessa terça-feira uma operação na comunidade do Chapadão com o objetivo de desarticular um quadrilha de assaltantes, desmanchadores e receptadores de veículos. A Ação, que envolveu 200 policiais civis, cumpriu oito mandados de prisão e prendeu três homens em flagrante, um por receptação e dois por porte de arma de uso restrito com numeração raspada. Foram cumpridos mandados de prisão contra Alessandro Antonio Ribeiro Pascoal, conhecido como “Neguinho”, Jean Carlos dos Santos Sena, conhecido como “GT” ou “GTA”, Rodolfo Edélcio Caldas da Silva, o “Tchola”, Davidson Santos Melo Araujo, o “Rodamar”, Vanderson Santana da Silva, Alexandre Pião Ramos da Silva e Vanderlan Santana da Silva. Luis Mendes de Oliveira Junior,Carlos Alberto de Oliveira Soares e Andrew de Sena Campos foram presos em flagrante.

Justiça confirma que atrasados terão correção maior

O CJF (Conselho da Justiça Federal) confirmou que os aposentados que ganharam uma ação contra o INSS têm o direito a atrasados maiores, com a correção da inflação. O INSS tentou reduzir a correção dos atrasados, mas não conseguiu convencer a Justiça a voltar a usar a TR (Taxa Referencial), e não a inflação medida pelo IPCA-E (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial). A notícia é boa para os aposentados, já que a TR, também usada na correção monetária da poupança, vem perdendo para a inflação desde 1999. Os pedidos foram apresentados pela AGU (Advocacia-Geral da União), que representa o INSS na Justiça. Leia esta reportagem completa na edição impressa do Agora nesta quarta, 19 de março, nas bancas

Revisão para aposentado até 2004 dá correção de 4,7%

Aposentados do INSS que recebiam abaixo do teto previdenciário até abril de 2004 podem ter uma correção de 4,7% nos benefícios. A determinação de revisar os valores pagos a esses segurados partiu do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) — que analisa ações de 14 estados e do Distrito Federal —, que determinou que o instituto desembolse a diferença que deixou de ser paga a um segurado ajuizou uma ação. A decisão abre precedente para casos semelhantes. As informações são do jornal “Agora”. Em dezembro de 1998, a Emenda Constitucional 20 elevou o teto pago pelo INSS a R$ 1.200. Em maio de 1999, uma portaria do governo federal elevou esse valor máximo para R$ 1.255,32. Com esse reajuste de 4,61%, segurados que se aposentaram pelo teto foram beneficiados com o novo valor. Mas os que já tinham benefícios e recebiam abaixo do teto não tiveram o mesmo reajuste. Eles receberam somente 2,28%. Em dezembro de 2003, outra reforma previdenciária Emenda Constitucional 41), elevou o teto para R$ 2.400. Em abril de 2004, houve nova portaria, e o valor foi a R$ 2.508,72, aumento de 4,53%. Quem se aposentou pelo teto foi beneficiado novamente. Os que já eram aposentados e ganhavam abaixo do valor máximo pago tiveram um reajuste de 2,73%, gerando as diferenças. O INSS ainda pode recorrer. Procurado, declarou que não comenta decisões judiciais.
0