Frase do dia

“O amor é tudo”
(Jesus Cristo)







sábado, 24 de maio de 2014

Ronaldo Fenômeno: Nós que temos vergonha!



Fábio Pereira Ribeiro
Alguns atletas têm a grande capacidade de potencializar a destruição da própria imagem. Muitos deveriam ficar calados para evitar constrangimentos. Outros deveriam se posicionar de forma efetiva na construção social do país, principalmente como modelos e exemplos para o futuro de uma sociedade através do esporte. Principalmente em ajudar os milhares de atletas brasileiros que não conseguem o mínimo para se sustentarem através do esporte.


Mas a Copa do Mundo no Brasil está escancarando o quanto alguns atletas estão pouco se “lixando” com a sociedade e com o país. O Rei Pelé, vira e mexe, abre a boca para colocar incongruências filosóficas para tentar de alguma forma minimizar o efeito de mobilizações e desgostos dos brasileiros. Em vão, só consegue manchar sua imagem. Mas até aí, qual o problema? Os milhões em merchandising estão entrando.
Agora o senhor Ronaldo Nazário, ele mesmo, o nosso “fenômeno”, ou melhor o seu, parece viver no “fantástico mundo de Bob”, e logo agora pertinho do ponta pé inicial da Copa do Mundo, o mesmo se sente envergonhado.
Caro Ronaldo, vergonha temos nós brasileiros com tudo o que está acontecendo. Para muitos, o único agradecimento em relação à Copa do Mundo é o serviço que a mesma está fazendo em escancarar para o mundo o quanto o Brasil perdeu o seu rumo, o quanto está desorganizado, e o quanto a corrupção tomou conta da sociedade e de todos os ambientes políticos.
Mas voltando, os brasileiros sentem vergonha de atletas como o senhor que tomam posturas de políticos sorrateiros que aproveitam ao máximo o bem público, e quando descobrem que o “botijão” irá explodir, tentam ao máximo ficar ao lado da sociedade como pobres vitimas. Desculpa, mas na minha opinião o senhor tende a ser cúmplice de tudo o que está acontecendo. Agora é fácil falar em vergonha.
Vergonha tenho eu quando vejo um ex-presidente da República do Brasil falar que ter um metrô no estádio é “babaquice”, ou pior falar para a sociedade ir de “jumento”. Vergonha tenho eu quando a FIFA fala que os “brasileiros devem trabalhar” mais”. Vergonha tenho eu quando vejo diversas meninas em Itaquera sofrerem abusos sexuais durante todo período de construção do estádio Itaquerão. Vergonha tenho eu de ver que não teremos legado algum. Vergonha tenho eu de ver o quanto o Brasil adora um “puxadinho” (nossas obras de infra-estrutura). Vergonha tenho eu em imaginar que o senhor pensa que Copa se faz com estádios e não com hospitais e outros serviços públicos.
Mas é muita irresponsabilidade do atleta, logo agora, se dizer “envergonhado” pelo modo como o Brasil se preparou para a Copa. Menos “cara pálida”. Isto não é culpa do Brasil, e sim dos governantes, políticos e gestores públicos, que com o “jeito brasileiro de fazer gestão pública” deixaram tudo para a última hora, sem contar a pitada nefasta de corrupção.
E quando você faz uma pequena reflexão sobre o futuro do Brasil, desculpa, a vontade é de chorar desesperadamente. Será que o Brasil é o país do futuro? Será que o Brasil tem efetivamente um futuro promissor? Ou ainda veremos o jeito sorrateiro da política prevalecer? Me lembrei da obra do austríaco Stefan Zweig, “Brasil, País do Futuro”, belo trabalho, mas triste resultado. Sua expectativa não se cumpriu, e nada demonstra que se cumprirá. Imagina então o trabalho do sociólogo italiano Domenico De Masi? Sim, o pai do ócio criativo, o mesmo acredita em um modelo brasileiro de futuro. Ledo engano. Outro, que com seu ócio parece viver no “fantástico mundo de Bob”.
Ronaldo, por exemplo, veja um caso que nos traz vergonha. A greve dissimulada do transporte público na cidade de São Paulo e nas cidades vizinhas. Um verdadeiro crime contra a ordem pública, e principalmente um “esculacho” com os milhares de trabalhadores que dependem unicamente do transporte público. E quando analisamos a realidade, percebemos somente uma manipulação da ignorância, e a necessidade violenta de ter o “poder”, sem contar em “mamar” a demoníaca “contribuição sindical”. Essa mesma, que cai livre e solta nos cofres dos diversos sindicatos espalhados pelo Brasil. E no fim, o que vemos? O pobre sofrendo as conseqüências da maldade política, da ânsia de poder e da força viril que o dinheiro gera nas pessoas, principalmente nas de má índole.
Além de me sentir um tremendo babaca, também estou morrendo de vergonha. Sete  anos atrás eu percebi que isto tudo não daria em nada. Só um evento privado que mexe com a emoção do brasileiro ao extremo. Legado? É muito piegas achar que teríamos algum, considerando anos e anos de democracia estabelecida, e no mínimo bom senso da população e dos políticos.
Mas Ronaldo, você ainda tem chance de se redimir. Cobre a Presidência e todos os envolvidos. Sua vergonha é a mesma de todos nós. Não seja cúmplice desta canalhice. Na boa, você acredita que o Itaquerão trará algum resultado? Praticamente todos os clubes brasileiros não conseguem fechar suas contas, imagina os estádios? Me mostre um resultado positivo, só um.
Não podemos ser hipócritas, babacas e termos vergonha. Temos que agir. Temos que mudar o atual estado das coisas. É inaceitável o momento atual do Brasil. Um país que teve tudo para evoluir, ou ainda tem, não pode simplesmente parar.
Infelizmente 2014 já foi embora. Já sabemos seu resultado e seu fim. Mas 2015 será igual? Quando efetivamente teremos um “choque” de gestão? Quando teremos um Projeto de País?
E Ronaldo, para de alguma forma estar junto com você em sua vergonha, a Presidente Dilma afirmou na semana que os aeroportos não são para Copa. Até aí, tudo bem, mas por quê cargas d’águas, os aeroportos não foram trabalhados lá no inicio da gestão????? É só uma pitada da vergonha. Como diria o ditado, “pimenta e vergonha no dos outros é refresco”.
Eu tenho vergonha disto:
Postar um comentário