Conta de luz ficará mais cara em agosto. Custo adicional será de R$ 4 para cada 100 quilowatts-hora consumidos


A Agência Nacional de Energia Elétrica anunciou que a bandeira tarifária do próximo mês será vermelha, no patamar 1, com custo de R$ 4 para cada 100 quilowatts-hora consumidos. Em julho, estava amarela, que representa adicional de R$ 1,5 por 100 (kWh) e no mês anterior, verde, sem custo extra.
Segundo o órgão regulador, agosto é um mês típico da estação seca nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN). “A previsão hidrológica para o mês sinaliza vazões abaixo da média histórica e tendência de redução dos níveis dos principais reservatórios. Esse cenário requer o aumento da geração termelétrica, o que influenciou o aumento do preço da energia (PLD) e dos custos relacionados ao risco hidrológico (GSF) em patamares condizentes com o da Bandeira Vermelha 1”. O PLD e o GSF são as duas variáveis que determinam a cor da bandeira a ser acionada.

Criado pela Aneel, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o bom uso da energia elétrica. O funcionamento das bandeiras tarifárias é simples: as cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

Com as bandeiras, a conta de luz ficou mais transparente e o consumidor tem a melhor informação, para usar a energia elétrica de forma mais eficiente, sem desperdícios. O valor da bandeira vermelha patamar 2 é de R$ 6 por 100 kWh consumidos. 

Para se ter uma ideia, uma fatura da concessionária que atende Brasília, com 118 kWh consumidos em junho, mês de bandeira verde sem custo extra, foi de R$ 88. Em média, no país, o consumo médio residencial é de 160 kWh, mas as tarifas variam conforme a companhia.

Comentários